Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018

FDUP - Aula Aberta - A fiducia, um contrato romano renascido

13.12.2018 - 12h10 - Faculdade de Direito da Universidade do Porto
FDUP:
https://sigarra.up.pt/fdup/pt/noticias_geral.ver_noticia?P_NR=25174

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 13:21

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Novembro de 2018

UCP - o futuro das profissões júridicas

Debates na Universidade Católica Portuguesa, relevantes sobre o futuro para os que estudam Direito.

OA:

https://portal.oa.pt/comunicacao/imprensa/2018/11/29/o-futuro-das-profissoes-juridicas-em-debate-na-catolica/

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 12:59

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

ANÁLISE ÀS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI ORGÂNICA N.º 2/2018, DE 05 DE JULHO À LEI DA NACIONALIDADE (LEI N.º 37/81, DE 03 DE OUTUBRO)

Por Cláudia Rodrigues Rocha - Advogada

 

«A Lei Orgânica n.º 2/2018, de 05 de julho veio introduzir alterações à Lei da Nacionalidade, alargando o acesso à nacionalidade originária e à naturalização às pessoas nascidas em território português, e está em vigor no nosso ordenamento jurídico desde o dia 06 de julho.


Vejamos, ainda que de forma sumária, as principais alterações em matéria de nacionalidade portuguesa.


1) ATRIBUIÇÃO DA NACIONALIDADE


A redação da al. f) do n.º 1 do art. 1.º foi alterada no sentido de reduzir-se o tempo de residência legal do progenitor em Portugal de 5 anos para 2 anos, de tal modo que são portugueses de origem os indivíduos nascidos no território português, filhos de estrangeiros que não se encontrem ao serviço do respetivo Estado, que não declarem não querer ser portugueses, desde que, no momento do nascimento, um dos progenitores aqui resida legalmente há pelo menos dois anos.
Na senda desta alteração, foi adicionado o n.º 4 que refere que, a prova da residência legal referida na alínea f) do n.º 1 faz-se mediante a exibição do competente documento de identificação do pai ou da mãe no momento do registo, que ateste precisamente essa residência legal.
Assim, o progenitor que reside, em território português, há pelo menos 2 anos, tem de exibir o respetivo documento de identificação no momento do registo, sob pena de, não o fazendo nesse momento, ficar precludido a possibilidade, ao abrigo da alínea f), requerer-se a atribuição de nacionalidade portuguesa.
No entanto, alertamos para o facto de não ser possível adiantar muito mais em relação à alínea f), uma vez que, de acordo com o art. 4.º da referida Lei Orgânica n.º 2/2018, o Governo, no prazo de 30 dias a contar da publicação desta lei, introduzirá as necessárias alterações ao Regulamento da Lei da Nacionalidade.


2) ADOÇÃO


No que concerne à aquisição da nacionalidade, nomeadamente, por efeito da adoção, o art. 5.º também sofreu alterações, passando a consignar que o adotado por nacional português adquire a nacionalidade portuguesa (na anterior redação, fazia-se referência à adoção plena).
Em conformidade com esta alteração, o art. 29.º passou a dispor que os adotados por nacional português, antes da entrada em vigor da presente lei, podem adquirir a nacionalidade portuguesa mediante declaração expressa de vontade.


3) AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE POR NATURALIZAÇÃO


No âmbito da aquisição da nacionalidade por naturalização, o art. 6.º também foi objeto de várias alterações.
Desde logo, para aquisição da nacionalidade por naturalização, reduziu-se o período mínimo de residência legal em território português de 6 para 5 anos, nos termos da al. b) do n.º 1 do art. 6.º.
Por outro lado, a al. c) do n.º 1 já não exige a não condenação por crime abstratamente punível com pena de prisão de máximo igual ou superior a 3 anos, mas sim que o estrangeiro não tenha sido condenado, com trânsito em julgado, numa pena de prisão concreta igual ou superior a 3 anos.
A nosso ver, e salvo melhor opinião, é uma alteração louvável, uma vez que, nos termos da anterior redação, constituiria impedimento à aquisição de nacionalidade a condenação do interessado por um crime que, em abstrato, fosse punível com pena de prisão de máximo igual ou superior a 3 anos (por exemplo, o crime de furto, p. e p. pelo art. 203.º do Código Penal), ainda que, em concreto, o estrangeiro apenas tivesse sido condenado numa pena de multa ou pena de prisão suspensa na sua execução, criando-se, desta forma, situações injustas, desiguais, e que eram tratadas de forma igual.
Quanto aos menores, nascidos no território português, filhos de estrangeiros, o n.º 2, na sua atual redação, passou a exigir, não só, os requisitos das alíneas c) e d) do n.º 1, como o da alínea e), ou seja, não constituir perigo ou ameaça para a segurança ou defesa nacional, pelo seu envolvimento em atividade relacionadas com a prática de terrorismo).
Compreende-se tal alteração, considerando os recentes e recorrentes acontecimentos associados à prática de terrorismo.
No entanto, é ainda necessário que um dos progenitores aqui tenha residência, independentemente de título, pelo menos durante os 5 anos imediatamente anteriores ao pedido (na anterior redação exigia-se que um dos progenitores residisse, legalmente, há pelo menos 5 anos), o que significa que, para este fim, a lei já não exige a residência legal nos 5 anos imediatamente anteriores ao pedido.
Em alternativa, a al. b) do n.º 2) prevê a possibilidade de o menor ter concluído em Portugal, pelo menos, um ciclo do ensino básico ou o ensino secundário, ao passo que, na anterior redação, apenas relevava a conclusão do 1.º clico do ensino básico.
O atual n.º 3 do art. 6.º passou também a prever a possibilidade de conceder a nacionalidade portuguesar, por naturalização, a crianças ou jovens com menos de 18 anos, acolhidos em instituição pública, cooperativa, social ou privada com acordo de cooperação com o Estado, na sequência de medida de promoção e proteção definitiva aplicada em processo de promoção e proteção, independentemente da residência dos progenitores e da conclusão, ou não, de um clico do ensino básico ou secundário.
Trata-se de outra alteração que, na nossa ótica, também é elogiável, uma vez que se trata de um espetro de sujeitos frequentemente (e infelizmente) esquecidos, não o podendo ser numa matéria tão importante como um direito fundamental.
O n.º 5 estipula que o Governo concede a nacionalidade, por naturalização, com dispensa do requisito estabelecido na alínea b) do n.º 1, aos indivíduos que, cumulativamente, (i) tenham nascido em território português, (ii) sejam filhos de estrangeiro que aqui tivesse residência, independentemente de título, ao tempo do seu nascimento e (iii) aqui residam, independentemente de título, há pelo menos 5 anos.
Os n.º 6 e 7 mantiveram a sua redação, porém, acrescentados os n.º 8, 9 e 10.
Ora, dispõe o novo n.º 8 que o Governo pode conceder a nacionalidade, por naturalização, com dispensa do requisito estabelecido na alínea b) do n.º 1, aos indivíduos que sejam ascendentes de cidadãos portugueses originários, aqui tenham residência, independentemente de título, há pelo menos 5 anos imediatamente anteriores ao pedido e desde que a ascendência tenha sido estabelecida no momento do nascimento do cidadão português.
Já o n.º 9 estabelece que o conhecimento da língua portuguesa referido na alínea c) do n.º 1 presume-se existir para os requerentes que sejam naturais e nacionais de países de língua oficial portuguesa, o que, a nosso ver, se compreende.
Por fim, o n.º 10 refere que a prova da inexistência de condenação, com trânsito em julgado da sentença, com pena de prisão igual ou superior a 3 anos referida na alínea d) do n.º 1 faz-se mediante a exibição de certificados de registo criminal emitidos (i) pelos serviços competentes portugueses e/ou (ii) pelos serviços competentes do país do nascimento, do país da nacionalidade e dos países onde tenha tido residência, desde que neles tenha tido residência após completar a idade de imputabilidade penal.


4) OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE


O art. 9.º também foi objeto de alteração, no entanto, no que diz respeito ao n.º 1, trata-se apenas de uma mera adaptação em conformidade com a alteração efetuada ao requisito da al. d) do n.º 1 do art. 6.º, de tal forma que constitui fundamento de oposição à aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito da vontade a condenação, com trânsito em julgado da sentença, com pena de prisão igual ou superior a 3 anos (e já não a pena abstratamente aplicável).
O n.º 2, por outro lado, prevê uma novidade, ou seja, a oposição à aquisição de nacionalidade com fundamento na inexistência de ligação efetiva à comunidade nacional não se aplica às situações de aquisição de nacionalidade em caso de casamento ou união de facto quando existam filhos comuns do casal com nacionalidade portuguesa.
Entendeu, assim, o legislador que o vínculo estável e durador baseado no casamento ou união de facto, do qual resultem filhos com nacionalidade portuguesa constitui prova bastante da efetiva de ligação à comunidade nacional, devendo ser relevado para efeitos de aquisição da nacionalidade.


5) NULIDADE DO ATO E CONSOLIDAÇÃO DA NACIONALIDADE


O art. 12.º-A foi aditado pela Lei Orgânica n.º 2/2018 e prevê a nulidade do ato que determine a atribuição, aquisição ou perda da nacionalidade portuguesa com fundamento em documentos falsos ou certificativos de factos inverídicos ou inexistentes, ou ainda em falsas declarações.
Trata-se de uma nulidade administrativa, nos termos do art. 161.º e segs. do CPA, e que terá de ser declarada pelo autor do ato através de despacho de declaração de nulidade, com o respeito e cumprimento pelos restantes princípios da atividade administrativa, como por exemplo, o direito de audiência prévia.
Trata-se de um modo expediente que irá permitir à Administração Pública um controlo, com consequências jurídicas, de situações de fraude na obtenção da nacionalidade.
Contudo, esta disposição não se aplica aos casos em que, a declaração de nulidade, resulta na apatridia do interessado, uma vez que o nosso legislador tem vindo a considerar o vínculo da nacionalidade um direito fundamental do indivíduo.
Do mesmo modo, a Lei Orgânica n.º 2/2018 também aditou o art. 12.º-B que prevê uma consolidação da nacionalidade.
Assim, a titularidade de boa-fé de nacionalidade portuguesa originária ou adquirida durante, pelo menos, 10 anos é causa de consolidação da nacionalidade, ainda que o ato ou facto de que resulte a sua atribuição ou aquisição seja contestado.
Nos casos de atribuição da nacionalidade (ao abrigo do art. 1.º), este prazo conta-se a partir da data do registo de nascimento, se a identificação como cidadão português tiver na sua origem o respetivo registo, ou a partir da data da emissão do primeiro documento de identificação como cidadão nacional, se a identificação como cidadão português derivar do documento emitido.
Nos casos de aquisição de nacionalidade (art. 2.º e segs)., o prazo conta-se da seguinte forma:
a) No caso de aquisição pela adoção ou naturalização, conta-se da data do registo da nacionalidade;
b) Nos casos de aquisição por efeito da lei, conta-se da data do facto de que dependa a aquisição;
c) Nos demais casos, conta-se da data de emissão do primeiro documento de identificação.
Esta disposição é, ainda, aplicável aos processos pendentes à data da entrada em vigor da presente lei, por força do disposto no n.º 1 do art. 5.º da Lei Orgânica n.º 2/2018.
Note-se, no entanto, que um dos requisitos é a titularidade da nacionalidade de boa fé.


6) OUTRAS ALTERAÇÕES


O art. 15.º também sofreu um aditamento, esclarecendo o seu n.º 3 que para os efeitos de contagem de prazos de residência legal previstos na lei da nacionalidade, considera-se a soma de todos os períodos de residência legal em território nacional, seguidos ou interpolados, desde que os mesmos tenham decorrido num intervalo máximo de 15 anos.
O n.º 4, em conformidade com a possibilidade de aquisição de nacionalidade prevista no nº 3 do art. 6.º, estabelece que se consideram como residindo legalmente no território português as crianças e jovens filhos de estrangeiros e acolhidos em instituição pública, cooperativa, social ou privada com acordo de cooperação com o Estado, na sequência de um processo de promoção e proteção.
Por último, foi alterado o art. 30.º, esclarecendo agora o seu n.º 1 que a mulher que, nos termos da Lei n.º 2098, de 29 de julho de 1959, e legislação precedente, tenha perdido a nacionalidade portuguesa por efeito do casamento, adquire-a i) desde que não tenha sido lavrado o registo definitivo da perda da nacionalidade, exceto se declarar que não quer adquirir a nacionalidade portuguesa ou ii) mediante declaração, quando tenha sido lavrado o registo definitivo da perda da nacionalidade.
O n.º 2 prevê que, sem prejuízo da validade das relações jurídicas anteriormente estabelecidas com base em outra nacionalidade, aquisição da nacionalidade portuguesa nos termos do n.º 1, produz efeitos desde a data do casamento, independentemente da data em que o facto ingressou no registo civil português.
A redação dada ao art. 30.º pela Lei Orgânica n.º 2/2018 é aplicável aos processos pendentes à data da entrada em vigor da mesma (vide art. 5.º).


CONCLUSÃO


Ora, chegados aqui, podemos concluir que a Lei Orgânica n.º 2/2018 expressa a intenção do legislador em reforçar o reconhecimento do vínculo da nacionalidade enquanto direito fundamental, procurando, também, dar primazia à vontade dos interessados.
Por outro lado, procura-se desburocratizar os respetivos processos, permitindo-se a recolha de elementos probatórios por outras vias mais simples e, igualmente, viáveis.
No entanto, sublinhamos ainda está em falta a respetiva regulamentação, pelo que teremos de aguardar pela clarificação e concretização de algumas disposições introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2018.

 

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 13:27

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Outubro de 2018

Galícia - Santiago de Compostela - Escola de prática juridica

Um bom exemplo de formação continua dos vários profissionais do foro.

Escola de Práctica Xurídica de Santiago de Compostela:

http://epxsantiago.org

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 12:58

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Agosto de 2018

Violência doméstica - Manual Pluridisciplinar - CEJ

Importante obra de edição do Centro de Estudos Judiciários

http://www.cej.mj.pt/cej/recursos/ebooks/outros/Violencia-Domestica-CEJ_p02_rev2c-EBOOK_ver_final.pdf

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 07:28

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Julho de 2018

EUA - formados em direito com trajetórias únicas

Histórias e reflexões de pessoas cujo caminho para a formatura em direito foi mais difícil.

aba journal:

http://www.abajournal.com/magazine/article/embracing_possibilities_nontraditional_law_students

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 13:16

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Junho de 2018

VII th Colloquium of the International Association of the Law of the Sea - GLOBAL CHALLENGES AND THE LAW OF THE SEA

Faculdade de Direito da Universidade do Porto

20 e 21 Setembro de 2018

FDUP:

https://sigarra.up.pt/fdup/pt/noticias_geral.ver_noticia?p_nr=22714

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 13:05

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

CEJ - Direito de Informação Administrativa e Proteção de Dados

Conferência

6 de Julho

Centro de Estudos Judiciários Lisboa

https://elearning.cej.mj.pt/course/view.php?id=740

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 11:51

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Junho de 2018

Timor - Leste - Boletim Lei & Justiça

Boletim Lei & Justiça, primeira publicação jurdica periódica de Timor-Leste, iniciativa de juristas nacionais e estrangeiros promovendo a investigação e reflexão jurídicas.

e - BLJ:

https://www.networktimor.org/e-boletim.html

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 19:21

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Maio de 2018

CEJ - Conferência Humor & Direito

"Analisar de forma abrangente o humor, os seus “limites” e excessos na perspetiva do Direito."

30.06.2018 - 9h45 - Centro de Estudos Judiciários Lisboa

CEJ:

https://elearning.cej.mj.pt/course/view.php?id=716

 

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 13:09

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Maio de 2018

Proteção ambiental e Licenciamento único ambiental

Formação

Centro de Estudo Judiciários

Lisboa 25.05.2018

https://elearning.cej.mj.pt/course/view.php?id=739

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 12:16

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Abril de 2018

Branqueamento de Capitais e Delação Premiada

20.04.2018

Conselho Regional de Lisboa -  OA

Associação Luso-Brasileira de Juristas

OA:

https://portal.oa.pt/advogados/formacao/18%C2%BA-congresso-do-interpoj-branqueamento-de-capitais-e-delacao-premiada/

 

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 13:57

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Abril de 2018

CEJ - Psicologia Judiciária

Formação promovida pelo Centro de Estudos Judiciários

27.04.2018 Lisboa

CEJ:

https://elearning.cej.mj.pt/course/view.php?id=728

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 14:18

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Março de 2018

Curso Breve - Introdução ao Direito Privado Alemão

Faculdade de Direito da Universidade do Porto

Abril - Maio de 2018

FDUP

https://sigarra.up.pt/fdup/pt/noticias_geral.ver_noticia?p_nr=21854

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 07:44

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Março de 2018

III Encontro Ibérico de Direito do Trabalho - a igualdade das relações de trabalho

Iniciativa:

APODIT (Associação Portuguesa de Direito do Trabalho), e congénere espanhola AEDTSS,.

Escola de Direito da Universidade do Minho

19 e 20. 4.  2018.

Parceiros
DHCII Centro de Investigação Interdisciplinar em Direitos Humanos
JusGov Centro de Investigação para a Justiça e Governação

Informação:

https://www.direito.uminho.pt/pt/_layouts/15/UMinho.PortaisUOEI.UI/Pages/EventsDetail.aspx?id=52241

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 11:39

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Março de 2018

VII Colóquio Ordinário da Associação Internacional do Direito do Mar. Desafios Globais e o Direito do Mar

VII Colóquio Ordinário da Associação Internacional do Direito do Mar. Desafios Globais e o Direito do Mar

20 e 21.09.2018

Oceanário de Lisboa 

Call for papers até 30.04.2018

FDUP

 https://sigarra.up.pt/fdup/pt/noticias_geral.ver_noticia?p_nr=21414

 

 

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 17:42

link do post | comentar | favorito

Inquérito sobre a formação de profissionais da Justiça em direito da UE

Questionário importante e pertinente para todos os profissionais lançado pela Comissão Europeia.

EU

https://ec.europa.eu/info/consultations/training-justice-professionals-eu-law-evaluation-new-2019-2025-strategy_en#questionnaire

 

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 17:38

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018

Formação CEJ - Cooperação Judiciária Civil

Funchal  - 1 e 2 de março de 2018
Porto - 6 e 13 de abril de 2018
Faro - 22 e 29 de junho de 2018
Ponta Delgada - 20 e 21 de setembro de 2018
Coimbra - 12 e 19 de outubro de 2018

CEJ - informação e Programa:

https://elearning.cej.mj.pt/course/view.php?id=785

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 12:26

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Fevereiro de 2018

Protecção de Dados na UE - Curso

26.2 a 2.3

Sede da Associação Jurídica de Braga

Iniciativa - JurisNova, CEDU e Associação Jurídica de Braga

Informação OA:

https://portal.oa.pt/advogados/formacao/curso-breve-protecao-de-dados-pessoais-na-uniao-europeia/

 

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 13:57

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2018

Formação - Processo de Execução Fiscal

Interessante e útil formação promovida pelo Centro de Estudos Judiciários

Delegação do Porto

15 e 16 . 03 .2018

CEJ - informação:

https://elearning.cej.mj.pt/course/view.php?id=753

publicado por Paulo Alexandre Rodrigues às 15:50

link do post | comentar | favorito
HPL - Sociedade de Advogados, R.L.

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. FDUP - Aula Aberta - A fi...

. UCP - o futuro das profis...

. ANÁLISE ÀS ALTERAÇÕES INT...

. Galícia - Santiago de Com...

. Violência doméstica - Man...

. EUA - formados em direito...

. VII th Colloquium of the ...

. CEJ - Direito de Informaç...

. Timor - Leste - Boletim L...

. CEJ - Conferência Humor &...

. Proteção ambiental e Lice...

. Branqueamento de Capitais...

. CEJ - Psicologia Judiciár...

. Curso Breve - Introdução ...

. III Encontro Ibérico de D...

.temas

. todas as tags

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.links

.tempo

Forecast for Porto

.tiempo

Forecast for Vigo
Forecast for Madrid

.Portugal

.España

.alerta

Join the Mailing List
Enter your name and email address below:
Name:
Email:
Subscribe Unsubscribe